Outubro Rosa

Foto: @nevesigor

O câncer de mama é a primeira causa de morte por câncer na população feminina em todas as regiões do Brasil, exceto na região Norte, onde o câncer do colo do útero ocupa essa posição.  Fonte: INCA, 2021.

E o que podemos fazer para mudar esta situação? Autoexame das mamas e realização do exame de mamografia.

“Atualmente, a mamografia é o exame mais indicado para a detecção precoce do câncer de mama, já que permite a identificação de tumores muito pequenos e, consequentemente, nos estágios iniciais da doença. A agilidade no diagnóstico é o que determina como será o tratamento, as possibilidades de cura e o tempo de sobrevida da mulher.”, explica Carlos dos Anjos, oncologista clínico do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês.

Passado um ano e meio da pandemia da Cofid-19, novo estudo da Sociedade Brasileira de Mastologista (SBM) aponta que o número de mamografias realizadas em 2020 foi 42% menor que o ano anterior em todo o território nacional.

“Entender o que impede as brasileiras de fazerem a mamografia, uma vez que há uma legislação específica para garantir o acesso ao exame, é essencial para reverter essa realidade. Com o início da retomada das atividades, é imprescindível que as mulheres priorizem a sua saúde e busquem pela mamografia. Esses casos precisam ser diagnosticados o quanto antes, pois a cada dia que passa, o câncer avança. Culturalmente, a brasileira coloca o cuidado com o companheiro, a família e os amigos em primeiro lugar, mas isso precisa mudar. Essa rede de apoio pode e deve priorizar a saúde da mulher e auxiliá-la nessa jornada, seja para o diagnóstico precoce ou apoio durante o tratamento do câncer”, reforça o oncologista.

Mulheres, sigam os conselhos que as(os) comissárias(os) de bordo dão, antes do avião decolar: em caso de emergência, coloque a máscara de oxigênio primeiro em você, mesmo que haja crianças ou pessoas com necessidades especiais por perto. E por que é dado este aviso? Porque primeiro temos que nos ajudar, para, depois, ajudarmos os outros.

Sim, existe uma legislação que garante o nosso direito, mas, na vida real, nem sempre temos mamógrafos disponíveis.

Sim, também é verdade, que muitos “chefes” fazem cara feia e terrorismo, quando avisamos que vamos ao médico, sem que seja uma emergência ou que estejamos passando mal.

Minha experiência de mais de 20 anos na área de RH me garante dizer que nenhum patrão vai lhe demitir, porque você foi fazer a mamografia. Lute por você!

Ainda o problema (?) do engajamento

Não estou conseguindo mudar de assunto: como o engajamento é crucial para o sucesso ou fracasso do seu negócio ou da manutenção do seu emprego,

Por incrível que pareça, o engajamento, muitas vezes, não é praticado pelos próprios donos dos negócios. Não dá para entender. A pessoa herda um negócio (falarei mais sobre isso em outro post) ou investe suas economias e não se engaja no próprio negócio. Inacreditável!

Duvida que isso aconteça? Comece a prestar atenção em como você, no dia-a-da, é tratado pelos donos dos pequenos negócios. Vocês já me conhecem: gosto de postar situações reais que acontecem comigo. Então, vamos para mais uma.

Gosto de ter plantas em casa. Cuidar delas. Um dia, no sacolão volante que vem semanalmente na minha rua, comprei uma muda de pimenteira, Passaram-se meses e eu, que gosto, mas não sou especialista, já achava que tinha sido enganada, pois não apareciam os frutos. Mas, não desisti e insisti. Fui trocando a muda de vaso e minha pimenteira ficou linda.

Um dia, identifiquei um pó branco na folhas da pimenteira.

@nevesigor

Sempre prefiro comprar dos pequenos negócios próximos a minha casa. Então, pedi ao meu filho (sempre ele), para ir a uma loja de flores e plantas que temos por aqui. Ele explicou o problema da planta e pediu indicação de um remédio. A própria dona da loja é quem atende os clientes. Ela rapidamente indicou um produto e ele perguntou a forma de utilização. A resposta dela: “Leia as instruções”.

Então, você reclama que não tem linhas de crédito, que os impostos são altos, que os clientes sumiram, etc., e não se dá ao trabalho de desenvolver um vínculo com o cliente que entra no seu estabelecimento. Não percebe que precisa “se engajar” para lutar pela continuidade do seu negócio.

Lemos as instruções de uso. A planta morre um pouco mais a cada dia.

@nevesigor

Para piorar, conversando com pessoas próximas, descobri que nem precisava de um remédio caro, como o que me foi indicado.

Infelizmente, acho que não será somente a pimenteira a morrer…

POR QUE TREINAR SEU TIME?


Outro dia um colega me falou que “esse negócio de treinamento é coisa do passado. As empresas não estão mais dispostas a gastar dinheiro nisso, principalmente as pequenas e médias”. 

Nem fiquei chateada, pois este é um pensamento muito comum.

O primeiro erro é considerar treinamento como gasto, quando, na realidade, este é um investimento. Oi????? Relaxa, continua lendo este post que você já vai entender.

O segundo erro é não entender o que é e para que serve o treinamento corporativo. Vamos lá!

Digamos que você tenha um pequeno negócio e precisa substituir ou aumentar a equipe de atendimento aos clientes no balcão ou pelo telefone. Você procura alguém nos sites de emprego ou recebe uma indicação de um amigo ou mesmo de um empregado. Preferencialmente, como há muita oferta de mão de obra para cargos sem muita necessidade de especialização, você escolhe alguém “com experiência no seu segmento de atuação”. E acha que está fazendo um grande negócio, pois não terá que perder tempo com o novo empregado, pois ele já sabe como trabalhar. Será?

É aí que começa o seu problema.

Exemplo 1. Numa cozinha, você reúne 10 pessoas que sabem cozinhar arroz e manda que elas o preparem. Se você ficar lá observando, perceberá que cada uma fará o arroz do seu próprio jeito e, ao final, quando você for provar a comida, verificará que cada arroz terá um sabor. Na nossa vida pessoal não é assim? O seu arroz é igual ao da sua mãe, ao do seu pai, ao das suas avós? Muito sal, pouco sal, com alho, sem alho, com cebola, sem cebola… Alguns arriscam até colocar pedacinhos de cenoura (nem que seja para tirar depois), porque têm crianças e elas precisam de vitamina E.

Arroz branco – Imagem da internet

E qual era a sua expectativa, em relação ao arroz? Você nem comentou com o grupo, uma vez que todos sabiam cozinhar arroz, não é? E se o seu arroz devia ter um determinado ingrediente, o qual estava na bancada próxima ao arroz, e que você julgou óbvio que deveria ser usado? Alguns até podem ter percebido, mas nem todos sabiam como utilizá-lo.

Arroz com alho e cebola – Imagem da internet

Começou a perceber? Não é porque alguém tem experiência anterior ou não que ela vai trabalhar da maneira que a sua empresa precisa. E não é suficiente informar que é necessário utilizar o ingrediente específico, pois existe a resistência à mudança. “Sempre fiz arroz deste jeito e agora vem esse sujeito me dizer como devo fazê-lo…” Aí você pensa: não quer fazer como estou mandando, vou demitir e contratar outro. Afirmo que esta suposta solução não vai dar resultado.

Numa entrevista do filósofo Mario Sergio Cortella no jornal Estadão, em dezembro de 2020  Sonia Racy perguntou: “A experiência prática mostra que, se você coloca 10 crianças numa sala e dá uma bola para cada uma brincar, você volta horas depois e encontra uma criança com três bolas, uma com o olho roxo, duas chorando. Tem como mudar a natureza humana?

Ele começou a resposta confirmando que, “enquanto natureza, somos seres competitivos, egoístas, temos a autopreservação como horizonte”. Porém continuou: “Não somos só isso. Temos necessidade de agregação, pois, do contrário, perecemos. Naquela sala das crianças, basta uma delas depender das outras que ela notará a necessidade de negociar um modo de convivência”.

De novo, parecia óbvia a orientação: cada um com uma bola, era só sair brincando, né? E a interação entre as crianças? E a história pessoal de cada uma sobre o que fosse brincar com bola? Havia necessidade de orientação, de treinamento. Se fosse uma equipe de trabalho, como a empresa gostaria que eles agissem?

Exemplo 2. Aqui no meu condomínio temos áreas arborizadas com bancos. Algumas mães ou avós, acompanhadas de seus filhos e/ou netos, sentam nos bancos e mandam as crianças brincarem, enquanto elas se atentam aos seus celulares. E as crianças lá, sem orientação, cada uma brincando da maneira que acha certa (muitas vezes destruindo o jardim…). Veja que tanto no exemplo 1 quanto neste as pessoas não fizeram nada por mal. Cada uma achou que estava fazendo o certo. Aí, de vez em quando, ouvimos uns gritos: “Fulaninho não faz isso!”. Sabe do que adiantam estes gritos? De nada, além de serem irritantes. Os gritos não mudarão o comportamento.

Como você quer que seus empegados atendam seus clientes? Não pense que é somente uma questão de ser educado. É questão, também, de postura, de conhecimentos específicos sobre seus produtos e sua clientela. É a imagem da sua empresa. É a memória que você quer que seus clientes tenham do atendimento prestado.

Seu cliente compra uma vez, mas não volta. Será que tem relação com o atendimento recebido?

Cada empregado, gerente e líder está sendo forçado a aprender. Mandar embora e contratar outro? Não adianta. Gritos? Não adiantam? Ficar o tempo todo vigiando? Não adianta.

Todos precisam entender e interiorizar o comportamento esperado pela empresa, aquele que vai trazer resultados para a empresa. 

Outro fator importante é que manter atualizadas as habilidades das pessoas é o maior desafio dos nossos tempos. O aumento do trabalho remoto, os avanços tecnológicos e a pressão constante por mais automação tornam o desenvolvimento dos funcionários cada vez mais fundamental. Quais as principais habilidades que suas equipes precisam ter?

Agora já deu para entender por que treinamento é um investimento? Investimento na sua empresa, na sua marca, na fidelização de seus clientes, na construção da cultura organizacional.

Já entendeu, também,  para que serve o treinamento corporativo? Esqueça aquele conceito ultrapassado de pessoas sentadas durante horas, ouvindo um instrutor. Os tempos mudaram, novas técnicas e metodologias surgiram, focadas nas necessidades específicas da sua empresa, na formação do comportamento da sua equipe, no engajamento do seu pessoal e no retorno financeiro para o seu negócio.

Como perder dinheiro com seu atendimento.

Somos apaixonados por Administração e, por isso, em qualquer conversa durante o cafezinho, acabamos identificando bons ou maus exemplos de Gestão.

A conversa de hoje foi sobre uma colega que, tendo seu salário reduzido em 25%, por conta da pandemia, imediatamente partiu para também reduzir seus gastos. Pura boa gestão financeira pessoal!

Um de seus cortes foi a tv a cabo: valor alto, sem eventos esportivos, reprises intermináveis de filmes e séries, etc. Como sua operadora permite a suspensão temporária por até 4 meses, assim ela fez. E é aí que começa nossa análise da gestão empresarial da operadora.

A cliente ligou, passou pelo extenso atendimento eletrônico e, no final, falou diretamente com um atendente humano que seguiu seu script e a solicitação foi concluída com sucesso.

A solicitação ter sido concluída com sucesso significa, para a operadora, perda de receita por 4 meses,

Poderia ter sido adotada uma estratégia de negociação, como, por exemplo: “sabemos que o momento é difícil, então, como a senhora é nossa cliente de muito tempo, podemos oferecer um desconto de 50% pelos próximos 4 meses. Assim, a senhora não perde o acesso aos nossos produtos e reduz sua despesa pela metade”. A cliente poderia não aceitar, mas não valeria a pena tentar? Afinal, estamos falando de uma redução de perda de receita de 100% para 50%.

Empresas quebram e sempre colocam a culpa na crise do momento. Gestão não é para amadores.

Todos somos um.

Foto: @nevesigor

Grandes decisões precisam e devem ser tomadas e, quanto mais conhecimento você tiver, mais assertivas elas serão.

Entretanto, não esqueça de exercitar a empatia e pensar no outro. Somos parte do mesmo todo.

Enferrujado no Ms-Excel?

Aí vão 5 dicas:

1. CTRL Z / CTRL Y (1 minuto para aprender) Use Ctrl Z para desfazer seus erros no Excel. Ctrl Y faz exatamente o oposto — refaz.

2. CTRL + Setas (5 minutos para aprender) Se você já se pegou rolando por uma planilha para chegar ao seu final, pare de fazer isso e comece a usar Ctrl + teclas das setas! Este atalho básico leva-o diretamente ao último dado de uma coluna ou linha que estiver usando. Combine esta função com Ctrl, Shift para realçar/selecionar grandes áreas de dados em segundos.

3. Remover duplicatas (10 minutos para aprender) Faz exatamente o que você espera — remove qualquer duplicata em qualquer intervalo de dados. Você pode encontrá-la na aba Dados e, na seção Ferramenta de Dados da Faixa de Opções. Se quer apenas realçar os dados duplicados, é possível fazer isso usando a Formatação Condicional. O atalho para chegar lá é Alt H L.

Ms-Excel

4. Congelar Painéis (15 minutos para aprender) É possível congelar a linha superior, a primeira coluna ou qualquer quantidade de qualquer uma delas. Identifique as colunas e linhas da área que quer congelar. Em seguida, selecione a célula imediatamente à direita destas colunas e abaixo destas linhas. Vá para a aba Exibir e então, para Congelar Painéis na seção Janela. Alt W F é o atalho.

5. Preenchimento relâmpago (30 minutos para aprender) Suponha que você tem uma relação de códigos de produtos nas primeiras dez células da coluna A, por exemplo: “ABC-00001” até “ABC-00010” e você só precisa dos números depois do ‘-’. Crie o padrão digitando “00001” na primeira célula vazia. Se o Preenchimento Relâmpago estiver acionado (Arquivo, Opções, Avançado), comece a digitar o próximo código de produto na célula de baixo e o Preenchimento Relâmpago reconhecerá o padrão e preencherá o restante do código para você. Basta pressionar Enter para aceitar, ou faça isso manualmente, digitando Dados > Preenchimento Relâmpago, ou Ctrl+E.

Desesperar jamais.

O momento é de crise para as pequenas e médias empresas.

Tanto proprietários quanto empregados sabem que precisam reagir para garantir a existência de seus negócios/empregos nos próximos meses.

Desesperar não é a saída. Vida é 10% o que acontece com você e 90% como você reage a isso (Charles Swindoll)

Foto: @nevesigor

Em momentos de tranquilidade é fácil ter um emocional estável. E neste momento: o que fazer?

Invista constantemente no aprimoramento da sua inteligência emocional. Não existe outra opção, você precisa de equilíbrio e racionalidade para encontrar a resolução dos problemas. Uma mente saudável é primordial em momentos instáveis.

Há luz no fim do túnel.

Hã luz no fim do túnel.

Estamos lidando com uma crise sem precedentes.

Não tínhamos planos de ação prontos para enfrentá-la, por isso sentimentos como frustração, irritação, medo, preocupação, entre outros, têm aparecido com maior frequência do que gostaríamos.

Mas estes sentimentos não devem impedir que o Administrador encontre as melhores soluções para a continuidade de seu negócio, manutenção dos seus empregados e sobrevivência dos pequenos fornecedores. Sim, estamos juntos, somos parte do mesmo problema. Este é o desafio do Administrador. Difícil? Sim, mas não impossível. E lembre-se, você não precisa agir sozinho. Seja transparente, divida com os empregados as dificuldades, ouça as ideias deles, antes de demitir ou cortar salários “corte na carne”, pense fora da caixa e encontre soluções originais e não desista. Vai passar.

Baixa produção em home office?

O dia acabou e você percebeu que não realizou todas as tarefas para as quais se programou.
Mantenha a calma e não se julgue demasiadamente.

A sua lista de tarefas é viável?
Quais os fatores que lhe impediram de realizar tudo? Eles estavam sob o seu controle ou eram circunstâncias externas, sobre as quais você não tinha como intervir?
E não esqueça: o importante é colocar a cabeça no travesseiro à noite e saber que você deu o melhor de si.